Exposição no Ordovás retrata realidade do interior do Maranhão

thumbnail

Em “Onde a Amazônia começa e o Nordeste termina”, 18 fotografias do jornalista Vagner Espeiorin relatam o ambiente de Monção, um município genuinamente brasileiro, marcado por uma história bicentenária.

Localizada na Baixada Maranhense, numa região de transição entre biomas, Monção tem mais de dois séculos de história e uma população que ultrapassa 30 mil habitantes. A realidade desse município encravado entre a Caatinga e a Amazônia foi captura em imagens pelo jornalista Vagner Espeiorin.

Por cerca de 15 dias, ele atuou na localidade por meio do Projeto Rondon, desenvolvido pelo Ministério da Defesa, em 2015, e realizado em parceria com a Universidade de Caxias do Sul (UCS). O resultado pode ser conferido na exposição “Onde a Amazônia começa e o Nordeste termina”, no Centro de Cultural Henrique Ordovás Filho, a partir do dia 16 de fevereiro.

“A mostra reúne algumas fotografias produzidas num município que possui um Índice de Desenvolvimento Humano abaixo do que se considerado como razoável. Apesar das carências do local, o que também poderá ser percebido nas imagens é a visível beleza da comunidade que por lá vive”, explica Espeiorin.

Além de 18 imagens em preto e branco, a Galeria Sala de Exposição vai acolher também uma projeção visual sobre a localidade e um painel de releitura de uma das imagens produzidas pelo artista caxiense Gustavo Trindade. A exposição conta com a curadoria da fotógrafa Claudia Velho.

Sobre Monção

Com pouco mais de 30 mil habitantes – 12 deles no meio urbano, Monção se localiza no interior do Maranhão, sua umidade alta, típica para uma cidade entre o Nordeste e a região Amazônica, é embalada por ritmos musicais como tecnobrega e reggae. Cidade genuinamente brasileira, conta com forte expressividade cultural e histórica, mas apresente economia pouco dinâmica. O IDH em Monção é de 0,546; inferior a 0,600 – número considerado razoável.

Breve currículo: Vagner Espeiorin

Jornalista de 28 anos, Vagner Espeiorin atua como assessor de imprensa na Universidade de Caxias do Sul, onde trabalha com mídias sociais e na produção de reportagens para a RevistaUCS. Nutre uma adoração especial pela fotografia, além de uma paixão pela Psicologia, graduação que estuda desde 2017. 

horiz meia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha loading...