Ivanir Gasparin deve ser reeleito presidente da CIC

25401701

Não é comum haver mais de uma chapa para concorrer às eleições na CIC, Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Caxias do Sul, desta forma a atual diretoria composta por Ivanir Gasparin, e os vices Mauro Bellini (Indústria), Jaime Andreazza (Comércio) e Maristela Tomasi Chiappin (Serviços), deve permanecer, já realizada a inscrição à reeleição para o comando de uma das maiores entidades de classe do interior gaúcho.

A atual gestão foi eleita em outubro de 2017 para um mandato de dois anos, que encerra-se em 31 de dezembro. Se eleito, o quarteto reassume para o mandato 2020-2021.

Em conversa com José Quadros, que preside a comissão encarregada de organizar o pleito, a reportagem ouviu do mesmo que não acredita que haja outra chapa interessada em disputar a eleição, em função do ótimo trabalho que vem realizando a atual gestão comandada por Ivanir Gasparin. “A assembleia para a eleição do Conselho Executivo pelo Colégio Eleitoral está marcada para o próximo dia 23, às 17h, no auditório da CIC. Até lá, vamos aguardar o prazo legal para que outros também tenham a possibilidade de apresentar chapas”.

Liderança política no meio empresarial

Acredito que o empresário não tenha tempo para se dedicar à política, é uma função que exigem muito trabalho, dedicação em tempo integral, mas acredito que o empresário sempre foi mal visto, existe uma guerra ideológica, já começa pela novela que assistimos todos os dias, então esse carma de ser empresário começa pela formação acadêmica. A história do empresário se aventurar na política não deu muito certo, não foi muito bem sucedido, é algo estranho.

Nos últimos anos muitas pessoas boas se afastaram da política e isso é ruim, pois dá mais oportunidade para os maus se apossarem do poder, causar os arroubos que estamos assistindo quase todos os dias nos meios de comunicação, então esse jogo mudou, se você pegar uma foto da política de 30 anos atrás verás que quem comandava era a casta, não quem era mais rico, pois o empresário ganha mais dinheiro cuidando do seu negócio, mas falo da elite acadêmica, intelectual, os melhores, os ditos mais capacitados, aqueles que possuem os melhores intelectos faziam parte. Quando estamos doentes procuramos o melhor médico e existe um contrassenso, pois o político mata mais do que o médico com uma lei mal feita aprovada, pois diz da vida, de uma gama muito grande de pessoas que dependem das suas decisões.

Mas acho que o empresário erra em pensar mais no seu negócio, só em trabalhar, pois quem vai comprar o seu produto é a sociedade, quem vai dar ganho ou perda para ele é a sociedade, eu diria que o empresário deveria se voltar mais para tudo o que envolve o seu cotidiano, ajudar menos com o seu bolso e mais com o seu conhecimento e liderança intelectual. Tem que dar menos o peixe e ensinar mais a pescar.

Aos interesses de cada um

Acho que o político defende o dele, os seus interesses, o que preocupa é o vereador ou o deputado sendo eleito por uma classe. O mesmo serve para a rainha eleita na Festa da Uva, sua entidade conduziu a sua candidatura, ela representou uma classe, a partir daí, aquele segmento que ela representou não tem mais importância no processo, agora ela é Rainha da Festa da Uva de todos os caxienses e caminha com suas próprias pernas.

Hoje os poderes políticos estão muito segmentados, especialmente as câmaras de vereadores, pessoas defendendo uma classe, um segmento da sociedade, isso é ruim, pois toda a sociedade deve estar representada nos mandatos.

Estamos numa democracia, não existe o voto de cabresto e não é porque o empresário ajuda na questão financeira de um determinado candidato que ele deva ter regalias ou benefícios com esse apoio, vivemos em tempos de transparência e cada um ajuda caso entender que deva.

Criação de novas lideranças

Primeiramente é participação, tenho notado que os mais jovens querem o sucesso muito rápido e não é assim que as coisas andam, a liderança precisa ser construída, tem que gostar de servir e quem quer sucesso muito rápido quer se servir. O jovem pode ser sábio, mas a experiência vem com o tempo, com a vivência dentro de um determinado grupo ou conglomerado.

As pessoas precisam se descobrir e isso leva tempo, por isso que falei que o jovem não sabe esperar a vez, quer tudo para ontem e não é bem assim. Colocar uma pessoa na presidência em uma entidade é arriscado por que o jovem ainda não casou, não separou, não consolidou a sua vida pessoal e a entidade não pode de maneira alguma ficar à mercê dessas intempéries que existe na cabeça de um jovem. Existem ótimos projetos, boas iniciativas, mas falta a consolidação dessas ideias que podem ser aplicadas dentro de uma entidade.

Bênção dos Freis Capuchinhos

Caxias está triste, a população está triste, algumas tomadas de decisão da atual administração estão extrapolando a lógica. Você começa pelos veículos de comunicação que não vão poder este ano fazer a transmissão ao vivo para todo o Brasil do que é a cultura do nosso povo como a bênção dos Freis capuchinhos na Praça Dante Alighieri.

Eu sinceramente não sei o que está acontecendo isso, são coisas que nem precisaria de autorização, afinal a praça é pública, fica difícil para explicar para a população. Fazer bênção na praça não acredito que seja algo que possa prejudicar ou causar algum tipo de dificuldade, pois o evento é aberto a todos, indiferente da religião a que pertencem.

É uma pena, possivelmente até o Natal deste ano, que até o momento nada foi discutido e já estamos em outubro, ficará comprometido.

Foto Julio Soares

Texto Laudir Dutra/laudir43@yahoo.com.br

FOCAR VEÍCULOS.svg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Captcha loading...